Artigo

Conheça os modelos de negócios nas cidades inteligentes

A busca por eficiência e por melhor qualidade de vida nas metrópoles é o objetivo mais evidente por trás da tecnologia empregada nas cidades inteligentes. A ideia é que estruturas e processos sejam aprimorados a tal ponto que os centros urbanos ofereçam um ritmo de vida mais fluido e menos imprevisível ou caótico, consequentemente, mais alinhado ao ritmo de seus habitantes.

Para operar negócios nas cidades inteligentes, é preciso possuir visão de futuro, uma percepção alinhada à importância da conectividade na vida dos indivíduos, e uma oferta de produtos ou serviços que atendam as demandas de quem habita esses espaços. Por outro lado, a metrópole também ganha quando é apoiada por tecnologia que otimize o seu funcionamento, tornando-se menos complexa, mais competitiva e mais conectada. Entenda melhor para quais modelos de negócios as cidades inteligentes são mais receptivas.

Tipos de negócios nas cidades inteligentes

Tem mais chance de prosperar o modelo de negócios que compreender o contexto de funcionamento dessas cidades e as necessidades de seus habitantes. Isto porque as cidades inteligentes têm potencial para desencadear uma nova economia, tornando comum o uso de ferramentas inteligentes que promovam a interação dos cidadãos com a própria cidade.

Com a colaboração de empresas inovadoras é possível pensar os processos corriqueiros no interior dos centros urbanos e identificar quais pontos merecem atenção, depois propor soluções. É uma nova economia que se forma e as análises do grande fluxo de dados produzidas hoje contribuem para a criação de soluções inteligentes.

As cidades podem ser reformuladas a partir dos insights obtidos nas análises do Big Data. Projetos de arquitetura podem envolver grandes sistemas interligados e, dessa forma, operar uma sintonia entre indivíduos, tecnologias e corporações, configurando uma espécie inteligente de funcionamento sistêmico.

Empresas que elaborem programas com foco na solução de problemas específicos relacionados ao trânsito, à mobilidade, à poluição ou à qualidade da água, terão boas oportunidades dentro desse universo de possibilidades movimentado pela economia das cidades inteligentes.

Profissionais que as cidades inteligentes demandam

Pessoas com grande conhecimento sobre os modelos de negócios possíveis e que estejam aptas a perceber a cadeia de valores e interpretar os dados urbanos das cidades inteligentes, estarão mais bem preparadas para atuar nesses grandes centros. Especialistas em análises serão importantes para desvendar leituras a partir de dados integrados, permitindo que seja gerado valor a partir disso.

Oportunidades e integração de tecnologia

O grande potencial de conectividade de empresas e indivíduos está cada vez maior à medida que mais dispositivos são ligados à rede, gera um volume de dados estruturados de múltiplas formas que pode guiar os sistemas dentro dos ambientes urbanos que caminham para operar com mais inteligência.

Nesse cenário, a internet das coisas (IoT, internet of things) tem um relevante papel, mas não apenas pelas mudanças que a IoT propõe. É que os dados coletados na infraestrutura física permitem que sejam trocadas informações entre as várias partes interessadas no aprimoramento das estruturas das cidades inteligentes, que passam a compreender melhor o ambiente para depois promover melhorias e mudanças que tanto podem servir à mobilidade dos indivíduos quanto podem ser de grande valor na recuperação após eventuais catástrofes. A integração de soluções de TI às necessidades dos espaços urbanos é imprescindível para transformar áreas funcionais de uma cidade.

Possibilidades de negócios e soluções de TI

Trocar experiências e aprender com os resultados dos outros é um caminho para que as cidades tornem-se efetivamente inteligentes. Por isso buscar planos integrados com outras cidades é uma alternativa a ser considerada.

Empresas de grande porte já empregam esforços no sentido de formar centros urbanos que operem com mais inteligência. No entanto, a participação de startups e pequenos desenvolvedores é também fundamental.

É natural que todos os interessados nesse tipo de mercado contribuam para mudar, a partir do grande fluxo de dados, a forma como indivíduos e governos integram-se à cidade. As perspectivas futuras apontam para um grande aumento do número de metrópoles inteligentes até 2025, por isso as possibilidades de negócios são também aumentadas.

Uma cidade inteligente torna-se mais competitiva e, consequentemente, atrai mão de obra qualificada, empresas e investimentos. É preciso estar atento ao universo de oportunidades de negócios evidenciadas por essa nova economia em que soluções de TI não são apenas bem-vindas, mas também o principal agente transformador.

Se você já conhecia o conceito de cidades inteligentes, agora ficou sabendo ainda mais as oportunidades que as mudanças trazem consigo. Comente, participe se tiver dúvidas ou quiser deixar sua opinião através dos comentários. Continue acompanhando nossas publicações assinando nossa newsletter.

[hs_action id=”2170″]

Comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Conheça nossos parceiros