Artigo

Algumas maneiras de utilizar o Big Data da forma correta

Com gestores de empresas de todos os segmentos requisitando cada vez mais informações verificáveis de cada área para decidir os caminhos a serem tomados, o uso da informação na tomada de decisão organizacional está deixando de ser uma tendência para ser uma obrigatoriedade. 

Exatamente por este motivo, é importante saber os parâmetros que uma informação deve ter para ser considerada de qualidade: Volume (deve haver abundância de dados para que haja confiabilidade), Velocidade (as informações devem chegar em tempo hábil para tomada de decisão), Veracidade (os dados devem ser verdadeiros), Variedade (devem ser pesquisadas diversas fontes para que haja consistência e confiabilidade na informação) e Valor (a informação obtida deve fazer sentido para os objetivos da empresa). São estes parâmetros que norteiam o bom uso do Big Data, o método mais usado de obtenção de informação nos tempos atuais.

Já em uso desde 2012, este processo ganhou destaque por sua popularização em tempos mais recentes, na mesma proporção em que cresceu a necessidade de maior proximidade e entendimento do público e do mercado. Mesmo assim, muitos gestores não compreendem exatamente do que se trata o Big Data, por vezes achando que é uma tecnologia específica, por outras achando que é um processo aplicável apenas a empresas de grande porte. Essa falta de informação acaba frequentemente desencorajando o uso dessa técnica, privando muitas organizações de obterem vantagens táticas importantes.

Vale afirmar, portanto, que o Big Data é o componente fundamental no processo de inovação pela análise de dados e, diferentemente do que se pensa, se aplica a empresas de diversos tamanhos e à finalidade tão variadas como previsões de mercado e economia, operações, gestão de pessoas, relacionamento com clientes e fornecedores, diagnósticos, entre tantas outras. Com tantas finalidades, preparamos uma lista com dicas para garantir um bom uso desta solução, independentemente de seu objetivo.

  • Fontes de dados: primeiramente é importante escolher boas fontes de dados para análise. A “veracidade” e o “valor” só podem ser obtidos se as fontes de informação forem corretas. Por isso selecione tudo que for relevante para seu objetivo, incluindo CRM, redes sociais, ERP, fontes de dados externas etc.
  • Objetivos: é importante sempre lembrar que o Big Data não traz as recomendações de ações necessárias, nem dá respostas para problemas. Ele simplesmente analisa dados e apresenta o resultado dessa análise. Isso significa que sua empresa precisa saber com alguma precisão que tipo de informação quer obter, para que possa obter resultados satisfatórios.
  • Disposição para ação: muitas empresas esbarram em um fator importante na hora de aplicar a informação: a falta de disposição para mudança. Muitas vezes as informações obtidas demonstram que ajustes profundos devem ser feitos no comportamento da empresa, porém os gestores relutam em fazê-los. Por isso, antes de buscar informações a empresa deve estar preparada para aplicá-las.

Estas dicas, entre muitas outras formam o caminho para quem quer andar na frente e aproveitar os resultados deste tipo de solução. E, como sempre, sua empresa pode contar com a expertise da VERT para chegar lá.

New Call-to-action

Comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Conheça nossos parceiros